Páginas

08 maio 2015

O que é o Amor?

Paixões são tão intensas que já pensei ser amor. 
Existe uma linha tênue?

Não posso comparar ou ter confundido porque nunca, até agora, senti esse amor – romântico – que já vi algumas poucas pessoas falarem por aí.


Minhas paixões, de um dia, dois meses, um ou dois anos não foram mais do que atração ou carência. Eu já sabia disso no momento em que algumas situações aconteciam ou pela personalidade do garoto. No profundo do meu coração eu via e com isso eu já tinha a certeza que iria superar quem quer que fosse.

Será que isso é bom?
Será que é insensibilidade pura?
Será que só era o medo e uma desculpa para fugir?
Será que a paixão pode se transformar em amor?
Será que eu desperdicei uma chance?

Não sei a respeito de tudo. Mas o tempo, sabe ele? Só provou para mim que eu estava certa em deixar pontos finais para trás.

O que eu acho que é esse amor?

 Ele une duas pessoas que querem viver e desejam o para sempre, juntas...

... Que tenta, que acredita que vale a pena, que sustenta o sentimento apesar dos defeitos; que não julga, entende; que aceita a condição do momento e tem esperanças, que enxerga no outro sua capacidade e o admira, sob quaisquer circunstâncias contribui para o seu crescimento, não tem inveja,  vê um futuro nele, confia, tem compromisso, alimenta sua maturidade porque a vida não é justa e lidar com ela é difícil; não tem vergonha de mostra-lo ao mundo, adora dizer que é seu namorado...

... É mostrar coragem de entrar em um universo desconhecido, é querer estar junto nos momentos que nem mesmo ele quer estar consigo mesmo, é perdoar, é mostrar mais do que está ao alcance dos olhos, é às vezes ficar em silêncio, é aceitar as diferenças – diferenças não combinam com perfeição, perfeição não existe aqui, o que existe é encaixe perfeito...

... Ah o amor, é lembrar dele nas músicas, flores, notícias, cores, objetos,  fatos do dia; é saber que suas besteiras, seus traumas, dramas não soam ridículos, apesar de ser imbecil às vezes; é, em uma discussão, perceber os pontos de vista, é aceitar quando estar errado, é não ter medo de dar opinião, o amor é um exercício de convivência e o romance é a mágica...

... Mágica porque não sei nomear isso que acontece quando eu olho nos olhos dele e o reconheço – não foi experiência minha isso aí, vi em um filme e acredito. 


♥ Este post faz parte da blogagem coletiva promovida pelo Rotaroots 
Um grupo que valoriza e incentiva a blogosfera old school. 
Para saber mais e participar clica aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário